Policiais

Continua internada mulher que sofreu tentativa de homicídio na noite de ontem Marido é suspeito do ato criminoso que levou a esposa de 23 anos à UTI com ferimentos graves

Continua internada na Unidade de Tratamento Intenso (UTI) da Santa Casa de Misericórdia Hospital São Francisco de Assis, em Três Pontas, Jéssica Helena Mesquita, de 23 anos, vítima de tentativa de homicídio ocorrida na noite de ontem (15) no Bairro Aristides Vieira. A balconista passou por cirurgia e a equipe médica teria encontrado dificuldades para estancar o sangramento de um dos ferimentos e evitar a morte por choque hipovolêmico. Apesar da forte hemorragia que exigiu, inclusive, a transfusão de sangue, ela não corre risco de morrer.

De acordo com a Polícia Militar, Jéssica foi atingida por vários golpes de faca, deferidos pelo marido, o técnico em manutenção em internet, João Carlos da Silva, 28 anos. Um deles atingiu a região do pescoço. Casados há cerca de três anos, eles estavam separados há seis dias por motivos de ciúmes.

O padrasto de Jéssica, Antônio Pereira, 55 anos, contou aos policiais que atenderam à ocorrência, que a vítima se mudou provisoriamente para a casa dele e pediu que a acompanhasse até o antigo endereço de onde precisava pegar alguns objetos pessoais. A entrada na casa teria sido comunicada a João Carlos.

Ainda conforme relato do servente de pedreiro, tão logo adentrou sozinha pelo quintal da residência, Jéssica se dirigiu ao marido, afirmando que iria processá-lo e colocá-lo na cadeia. Teria ainda empurrado João Carlos, momento em que ele apanhou uma faca que estava sobre a pia da cozinha e começou a golpear o corpo da esposa.

Após ouvir os gritos da enteada, Antônio entrou na residência e segurou o autor; os dois acabaram feridos nas mãos pela faca utilizada no ato criminoso. João Carlos fugiu, mas pouco depois se apresentou espontaneamente à Polícia Militar. Ele confessou que se escondeu em um matagal onde se livrou da faca, ainda não localizada. Recebeu, então, ordem de prisão em flagrante delito.

A perita, Letícia Marques, fez os trabalhos de praxe na residência. Já João Carlos e Antônio foram conduzidos até a Delegacia de Polícia Civil, em Varginha, onde foi ratificado o flagrante. O suspeito do homicídio tentado continua preso e deve ser enquadrado também na Lei 11.340.

Três Pontas possui quase 400 medidas protetivas, asseguradas pela Lei Maria da Penha

Aproveitando a ocasião que envolve um relacionamento marido-mulher (autor/vítima), a Polícia Militar de Três Pontas, por intermédio do comandante, Bruno Neves Tavares, orienta que as mulheres fiquem atentas e procurem a PM ou o Ministério Público e denunciem caso estejam sofrendo algum tipo de violência por parte do companheiro. O tenente destaca que a Lei Maria da Penha prevê medidas protetivas que buscam impedir a aproximação do autor de agressões ou ameaças.

Segundo ele existem na Comarca de Três Pontas quase 400 medidas protetivas em andamento e fiscalizadas pela Polícia Militar. “Isto é importante porque é uma proteção para a mulher. A gente percebe que fatos graves de tentativa de homicídio ou de homicídio consumado, ligados à Lei Maria da Penha, são resultados de uma progressão; muitas vezes eles começam com discussões e pequenas agressões”.

A medida de afastamento é expedida imediatamente à denúncia. Se o autor desrespeitar pode ser preso.

 

Comentários

  1. Notícia cheia de detalhes escrita em um texto de fácil entendimento. É o que estava faltando para 3 Pontas!

    Parabéns Arlene.

Notícia anterior

EXCLUSIVO – Três Pontas possui trabalho inédito de atendimento às vítimas de acidentes

Próxima notícia

TAC fecha invicto primeira fase da Taça EPTV de Futsal

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.