Política

Defesa Civil: Prefeitura de Três Pontas apresenta Plano de Contingência do Município

O Prefeito, Paulo Luis Rabello (PPS), apresentou na quarta-feira (11), o primeiro Plano de Contingência do Município de Três Pontas que auxiliará toda a população trespontana em eventuais incidências de desastres naturais no Município.

O Plano de Contingência identifica os pontos vulneráveis da Cidade e estabelece os procedimentos a serem adotados pelos diversos órgãos na hipótese de ocorrência de eventos catastróficos de natureza humana, naturais ou mistas em Três Pontas. Ele descreve um plano de ações de resposta ao desastre, de modo a permitir a manutenção da integridade física e moral da população, bem como preservar os patrimônios públicos e privados.

Num contexto global, as mudanças climáticas estão ocasionando alterações profundas no meio ambiente. Essas mudanças são fatores que auxiliam na ocorrência de desastres naturais que, aliás, estão acontecendo com maior frequência, tais como: vendavais, estiagens, incêndios, deslizamentos, inundações e enchentes. Dentre os fatores humanos, podemos destacar a ocupação planejada da Cidade que teve seu processo de formação e expansão de forma a evitar ou minimizar eventos danosos.

O documento traz ações preventivas, tais como:

  • manutenção das áreas verdes e das áreas de preservação permanentes – APP existentes;
  • criação de novas áreas verdes para aumentar a permeabilização; construir represas, diques e piscinões, aliviando, assim, o quadro de inundações nos picos de cheia, empoçando a água e despejando-a pouco a pouco nos rios;
  • assistir a grande massa de moradores vulneráveis da periferia, melhorando o saneamento básico e garantindo a coleta de resíduos sólidos;
  • implementar programa de limpeza ostensiva de bueiros e galerias entupidos com lixo jogado pela própria população;
  • estimular a educação ambiental nos órgãos públicos, entidades particulares e escolas;
  • estreitar o relacionamento do Poder Público e as associações de bairro;
  • levantar e definir os locais problemáticos em termos de enchentes e criar mecanismos técnicos mais eficazes para a vazão da água;
  • elaborar o Plano Diretor de Drenagem Urbana, estabelecendo os índices de ocupação no solo e os parâmetros para a macrodrenagem urbana; elaborar e implementar plano de contingência e combate a inundações;
  • impedir o acesso de carros e pessoas nos locais críticos, nos momentos de grandes precipitações pluviométricas;
  • manter o Poder Público em sintonia com o serviço de meteorologia. 

Entre as atribuições e responsabilidades dos diversos setores envolvidos no Plano de Contingência, estão:

  • socorro da população em risco;
  • estabelecimento de meios de transporte para os abrigos temporários;
  • segurança nos abrigos e residências;
  • assistências médica, social e alimentar;
  • reabilitação do cenário afetado: saneamento básico, desinfecção das casas atingidas e obras públicas;
  • ação preventiva de endemias e, caso necessário, a vacinação;
  • cadastramento das famílias afetadas;
  • gerenciar abrigos temporários;
  • coordenar campanhas de arrecadação e distribuição de alimentos e roupas.

Esse Plano de Contingência é resultante da necessidade de criação de tal mecanismo, tendo em vista que nada nesse sentido havia sido elaborado anteriormente. A cada ano ele deverá ser reavaliado e atualizado, visando uma melhor resposta aos acontecimentos e preservando a integridade física e moral da comunidade.

 (Assessoria de Imprensa/Prefeitura Municipal de Três Pontas)

 

 

Notícia anterior

Câmara de Vereadores de Três Pontas, 173 anos de instalação

Próxima notícia

Farmácias de Plantão em Três Pontas

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.