Outros

Escassez de moedas causa transtorno ao comércio trespontano Presidente da Acai convoca população para colocar em circulação moedas que, possivelmente, estejam reservadas em casa

Escassez de Moeda 1O Presidente da Associação Comercial e Agroindustrial de Três Pontas (Acai), Michel Renan Simão Castro (foto ao lado), convocou os representantes dos sites de notícia da Cidade para falar sobre um problema que os comerciantes estão enfrentando desde o início deste segundo semestre: a falta de moedas no mercado.

Segundo Michel Renan, todo o segmento está passando por dificuldades, principalmente na hora de devolver o troco aos clientes. No entanto, destacou, os setores mais prejudicados são supermercados, padarias e hortifrutis – chamados popularmente de “sacolões”.

Diante das reclamações dos proprietários dos estabelecimentos, a Acai encaminhou ofício ao Banco do Brasil, solicitando esclarecimentos e possíveis soluções para que a transtornante situação seja sanada.

Através do Tesoureiro, Mathias Costa Veloso, o BB enviou resposta nada animadora. De acordo com a instituição financeira, a escassez de moedas no comércio local reflete um problema que ocorre em âmbito nacional, atribuído aos cortes sucessivos no orçamento do BB. “Sem recursos, a instituição foi obrigada a reduzir as encomendas de moedas para menos de um terço dos pedidos feitos no ano passado, gerando a atual escassez de moedas/troco”, citou o Tesoureiro também em ofício.

Ainda conforme o documento, o Banco Central não se posicionou quanto à regularização do fornecimento de moedas. Sendo assim, sugeriu Mathias Costa, resta que a população colabore colocando em circulação moedas que, possivelmente, tenha em casa.

“Algumas pessoas entendem a falta, outras não concordam e isso tem trazido certo desconforto para determinadas empresas. Nós temos que ter a visibilidade de que o problema é nacional e que não há previsão de melhoria nesse sentido”, comenta o Presidente da Acai.

Michel Renan opina ainda que o Banco Central deveria ter tomado providências ao contrário de permitir o agravamento da situação. Para o líder de classe e empresário, faltou planejamento por parte da autarquia federal que é vinculada ao Ministério da Fazenda.

Escassez de Moeda 2jpg“Mais uma vez a gente vê que os poderes públicos pouco se preocupam com as consequências que às vezes se tornam eminentes. Não faz sentido guardar as moedas porque quando há prejuízo para a população, somos nós que pagamos os custos com os nossos tributos”, registra Michel Renan.

Em conversa com o Presidente da Acai, o Tesoureiro do BB teria antecipado que a situação tende a se agravar nos próximos dias.

“A único órgão capaz de resolver esse problema, que é o BC, não tem demonstrado interesse, então, o jeito é nos conscientizarmos e colocarmos as nossas moedas em circulação”, reforça Michel Renan.

 

 

 

 

 

 

Notícia anterior

Três Pontas se despede do “Rei do Peixe”

Próxima notícia

Há vagas em Três Pontas

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.