Outros

Especial – Graças a Jesus, graças a Padre Victor Delson Mesquita é o “nosso ressuscitado”

Senhor Delson passou por momentos difíceis e hoje agradece a Deus por tudo que Ele tem feito em sua vida por intermédio do Venerável Padre Victor

Vinte e seis de junho de 1978. A data se tornou inesquecível para Delson Mesquita Campos, à época com 37 anos. Ao chegar de Belo Horizonte, onde foi visitar o pai que se encontrava hospitalizado, ele sentiu uma forte dor de cabeça e logo em seguida começaram os vômitos. A pressão arterial estava alta. Não havia, então, a mínima condição de esperar. O jeito foi recorrer ao Dr. Odilon Theodoro Leite. O atendimento aconteceu, mas por não saber exatamente o que tinha seu paciente e por não existir em Três Pontas um neurologista, o conceituado médico orientou que Delson voltasse à Capital onde os recursos já eram visivelmente mais avançados.

Ele foi acompanhado da esposa, Neusa Maria Ferreira Campos e de dois objetos que representaram esperança, que ajudaram o casal a se fortalecer nos dias que se seguiram – difíceis demais. Na bagagem, uma estola de Padre Victor e um crucifixo emprestado pela Priora do Carmelo São José, Nossa Mãe.

Em Belo Horizonte, a neurologista Marília Mariani Pimenta constatou: Delson havia tido um aneurisma cerebral e precisava ser operado. O procedimento ficou nas mãos de Dr. Guilherme Cabral. Se a tensão era grande, pior ainda quando houve o rompimento e a hemorragia durante a cirurgia que começou pela manhã. A equipe médica se desdobrou diante de uma sequência de surpresas até que o neurocirurgião optou em introduzir uma válvula para drenar o líquido do cérebro. Deu certo, mas o paciente – recorda dona Neusa – entrou em coma.

“Os médicos achavam que ele não iria se recuperar. O Delson voltou a si somente à tarde, por volta das quatro e meia”, conta a esposa. “Rezei muito”, completa. Dona Neusa diz ainda que em momento algum deixou de lado a estola e o crucifixo.

Foram dois meses no Hospital. O paciente para tudo dependia de ajuda até para reaprender a andar. Sem o movimento das pernas lá mesmo iniciou a fisioterapia, tratamento que, posteriormente, foi sequenciado em Três Pontas. De volta ao lar, a melhora foi progressiva e seu Delson, que esteve praticamente morto, foi completamente curado e não apresenta sequelas.

“Foi uma graça que recebemos do nosso Padre Victor”, assegura o casal. Se a devoção já existia, foi fortalecida pelo sofrimento.  “Aprendemos a dar mais valor à vida e a termos mais fé porque as coisas acontecem com a gente também e não só com as outras pessoas. Aprendemos que é preciso acreditar e orar que a gente consegue”, ensina dona Neusa, observada pelo marido.

Depois da provação, a relação com a Igreja ficou mais estreita. Seu Delson e a mulher vão com frequência à missa e comungam em agradecimento a Deus por tudo que têm recebido através do Venerável Padre Victor.

Agora eles rezam também pela Serva de Deus Madre Tereza Margarida do Coração de Maria, a Irmã Carmelita que, desde o acontecido, se referia ao senhor Delson como “nosso ressuscitado” e que fez questão de deixar com ele a cruz de Cristo. Nossa Mãe faleceu em 2005.

Já a estola foi devolvida à família que naquele tempo zelava pelo objeto que pertenceu ao Padre, pároco em Três Pontas por 53 anos. Neste 23 de setembro, quando se comemora o 109º Aniversário de Morte do Sacerdote, os devotos e romeiros poderão conhecer outras relíquias do Venerável, reunidas no Memorial que fica na Praça Cônego Victor, no coração da cidade.

 

 

Notícia anterior

Clésio Andrade abre sindicância para apurar suposto desvio de verbas no SEST/SENAT

Próxima notícia

Devotos movimentam a Terra do Padre Victor

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.