NotíciasOutrosQualidade de Vida / Saúde

Lixo eletrônico pode ser entregue à FlaMinas até domingo Ação é alusiva ao Dia de Combate à Poluição

Arlene Brito

Até domingo (20), os trespontanos poderão entregar à Embaixada FlaMinas todo tipo de material eletrônico inservível. Monitores de computadores, telefones celulares e baterias, computadores, televisores, câmeras fotográficas, impressoras e também pilhas estão sendo recolhidos desde o início da semana.

A ação de recolhimento do lixo eletrônico foi proposta às embaixadas e consulados por dirigentes do Clube de Regatas do Flamengo em comemoração ao Dia do Combate à Poluição: 14 de agosto. De acordo com o embaixador da Embaixada FlaMinas, Edilson Vitor da Silva, a iniciativa é significante já que esse tipo de lixo tem se tornado um grande problema ambiental quando não descartado adequadamente.

FlaMinas dará destinação correta aos equipamentos (Foto: Ilustrativa Net)

“Dimel” destaca que os eletrônicos contêm chumbo, mercúrio e muitas outras substâncias químicas que “podem contaminar o solo e a água, além de provocar doenças graves em pessoas que coletarem esses produtos em terrenos baldios ou na rua”. Enfatiza ainda que manter os mesmos em casa, sem uso, é um transtorno – já que apenas ocupam espaço.

Quem quiser se livrar do lixo eletrônico e ainda contribuir com o meio ambiente pode levar o material até o “Ninho do Urubu” – sede da FlaMinas – ou entrar em contato com “Dimel” que ele buscará o equipamento. O telefone é 9 9951-7039.

 

Notícia anterior

Caminhoneiro morre em acidente no trevo de Boa Esperança

Próxima notícia

Farmácias de Plantão em Três Pontas

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.