EsporteNotíciasTopo

Pedal da Independência recebe elogios pela organização, percursos e proposta de ajudar a Santa Casa de TP

Arlene Brito

“Foi um sucesso”, “Adorei”, “Parabéns Renata pela organização”, “Parabéns Renata pela iniciativa em elaborar o pedal e ajudar nosso hospital. Deus te pague”, “Parabéns, evento foi top, muito bem sinalizado, pontos de hidratação e galera nota 10”.

Estes foram apenas alguns dos muitos elogios direcionados à Renata Andrade, presidente do Trespontano Olímpico Clube (TOC) e se referem ao 2º Pedal da Independência, realizado em Três Pontas neste feriado de 7 de setembro. Ciclistas da cidade e visitantes de Varginha, Campos Gerais, Nepomuceno e Boa Esperança somaram 190 inscritos, resultando R$ 3,8 mil que serão ainda hoje (8) repassados ao Hospital “São Francisco de Assis” por intermédio do provedor Michel Renan Simão Castro.

“Estou muito feliz com o resultado. O Pedal da Independência deste ano teve ao menos duas finalidades. Uma, confraternizar e a outra a ação social. Nossa Santa Casa está passando por um momento financeiro difícil. Várias ações foram feitas e muitas ainda serão necessárias. Estamos aqui dando uma pequena contribuição: a família TOC, a Prefeitura Municipal, várias empresas, o comércio da nossa cidade e todos vocês que se inscreveram”, agradeceu Renata.

O 2º Pedal da Independência teve dois percursos. Um de aproximadamente 20 quilômetros traçado para quem tem pouca intimidade com a modalidade. Crianças, mulheres, rapazes que nunca tinham participado de um passeio ciclístico pelas estradas rurais do município conseguiram vencer o desafio “numa boa”.

O outro foi um pouco mais puxado. Os “brutos” – como são chamados aqueles mais acostumados com o esporte, os mais treinados – percorreram cerca de 42 quilômetros entre estradão e trilhas que passaram por fazendas produtoras de café, uma das maiores riquezas econômicas de Três Pontas. Os trajetos foram definidos pela presidente do TOC, com auxílio de dois amigos também apaixonados pelo ciclismo: Rosa Miari e Gleiber Santana.

Todos os cuidados foram tomados pela organização. A sinalização dentro e fora da cidade foi impecável. Assim, todos pedalaram em total segurança. Vários pontos de hidratação: onde foram distribuídas frutas e água geladinha, acompanhamento de equipes de apoio: Guarda Civil Municipal, Socorristas Voluntários “Anjos da Vida”, mecânico e ainda suporte: de moto, carro e caminhão – fizeram crescer a tranquilidade. Havia todo um esquema, muito bem elaborado, para atender a possíveis incidentes, tais como, quedas e problemas com as “bikes”. Além disso, o companheirismo prevaleceu. O que se viu pelos percursos foi uns incentivando, esperando, auxiliando outros.

Para Renata Andrade, o Pedal da Independência – além de promover a integração do trespontano a “tribos” vizinhas e além de gerar recursos para o Hospital, referência para vários municípios da região – também elevou a autoestima dos participantes. Isso porque eles superaram barreiras e perceberam que são capazes. Outra meta agregada foi quanto ao incentivo à prática esportiva. Muita gente viu a grande turma pedalando e desejou estar ali, junto, cuidando da saúde e se divertindo. Já tem gente procurando saber como “começar”.

Presente na abertura do evento, o provedor do Hospital “São Francisco de Assis”, Michel Renan, analisou que o Pedal da Independência mostra que existe uma nova concepção aflorando na sociedade. “Todo mundo anda muito agitado, estressado e com tempo limitado, ainda assim, pessoas conseguem conciliar essa agitação com o lazer, com o entretenimento e isso é muito importante”. Saiu em defesa do coletivo, incentivando o envolvimento em causas que realmente fazem parte das “nossas vidas” e agradecendo a iniciativa em prol da instituição de saúde.

Momentos antes da largada, os ciclistas foram abençoados pelo padre Rogério Augusto da Silva, da Paróquia Cristo Redentor, um dos esportistas inscritos.

Eu amo a nossa Santa Casa

No campo de futebol do TOC, onde os ciclistas se concentraram, o voluntário Edilson Vitor da Silva – “Dimel”, expôs camisetas personalizadas, cuja venda é direcionada ao Hospital de Três Pontas. Quem não conseguiu adquirir e queira colaborar pode se dirigir a um dos seguintes pontos de venda:

Atacadão Baldansi (Rua Nossa Senhora d’Ajuda)

Dodô Esportes (Praça Cônego Victor)

Hering (Rua Barão do Rio Branco)

Papelaria Universal (Avenida Ipiranga)

Popular Supermercado (Rua Luiz Antônio Ribeiro)

Potencial Auto Center (Avenida Ipiranga)

Reabilitação Ideal (Rua Barão da Boa Esperança)

Ninho do Urubu FlaMinas (Rua dos Expedicionários)

A iniciativa é da Embaixada FlaMinas de Três Pontas e Estamparia Reniarte. Cada camiseta custa R$ 25.

 

Notícia anterior

Livre Acesso - Independência? Três Pontas: Panorama de Acessibilidade no Município

Próxima notícia

Bárbaro – homem mata pai com um machado e deixa mãe e irmão feridos

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.