Outros

Uso clandestino das redes de esgoto do SAAE causam danos e colocam população em risco

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Três Pontas está enfrentando um sério problema. O uso clandestino e totalmente incorreto das redes de esgoto da Cidade.

Recentemente, a Autarquia Municipal foi surpreendida ao verificar um vazamento em um poço de visita (PV) localizado em frente ao final da Rua Adolfo de Paula Pereira, no Bairro São Judas Tadeu. Funcionários detectaram que o esgoto vazava por cima e escorria ao redor do poço, sinalizando entupimento no Interceptor.

Ao iniciar o trabalho, a equipe se deparou com uma ação que, além de danificar a rede, ainda coloca em risco a saúde da população, já que esgoto a céu aberto pode provocar várias doenças e atrair insetos e animais peçonhentos. Dentro do PV havia cabeça, barrigada e couro de uma vaca. Pela atitude, é possível que o animal tenha sido abatido também na clandestinidade.

O SAAE explica que o Bairro foi beneficiado com a retirada de uma Elevatória. Graças a este investimento foram eliminados o mau cheiro e a contaminação que em anos anteriores renderam até denúncia do Ministério Público.

O benefício que a obra trouxe à comunidade foi prejudicado por pessoas sem a mínima noção da responsabilidade de cada um em preservar o patrimônio público.

“As Redes, Interceptores e Emissários coletam e transportam apenas esgotos domésticos – não é lugar de lançamento de lixo”, orienta a Autarquia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Notícia anterior

Farmácias de Plantão em Três Pontas

Próxima notícia

Médico “trespontano” recebe homenagem da Assembleia Legislativa de Minas

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.