Educação / Cultura / LazerNotíciasPoliciais

Alerta – Até setembro MG teve 543 ocorrências de afogamento Em águas do Sul do Estado, 27 pessoas morreram

Jessica Mesquita Silva

Foto mostra CBMMG em trabalho de busca por Jhonatan Costa, de 19 anos, em Três Corações

Estatísticas do Corpo de Bombeiros Militar mostram que neste ano, até o mês passado, foram atendidas 543 ocorrências de afogamento em Minas Gerais. O número é assustador e serve de alerta para a população, já que a época de temperaturas mais altas está apenas começando.

De acordo com o chefe da Assessoria de Comunicação do 9° Batalhão de Bombeirtos Militar, com sede em Varginha, tenente Ilenildo Prata de Paula, os atendimentos englobam salvamento aquático, quando a vítima é retirada sobre as águas e o mergulho, com atividade submersa. O bombeiro militar informou ainda que só no Sul de Minas os casos de afogamentos com vítimas fatais totalizam 27. “Muitas vezes os acidentes acontecem em cachoeiras e açudes porque as pessoas não conhecem a profundidade do local”, conta.

As estatísticas em MG demonstram ainda que dos 543 afogamentos, 91% eram do sexo masculino.

O mais recente

Jovem de 15 anos se afoga em rio de Areado e entra para a estatística de vítimas fatais em Minas (Foto: Diego Batista-Areado Notícias)

Na última segunda-feira (16), o Corpo de Bombeiros Militar de Alfenas encontrou o corpo de mais uma vítima de afogamento, desta vez no rio Muzambo na cidade de Areado. As buscas por Ítalo Pablo da Cruz Silva começaram no domingo por volta das 17 horas. Ele tinha 15 anos.

Os familiares acionaram o Corpo de Bombeiros Militar de Alfenas depois que o garoto sumiu. Conforme registrado, antes do incidente, o tio e a vítima estavam à beira do rio. O adolescente ficou algum tempo sozinho quando o tio saiu da margem para ir beber água. Ao voltar, o rapaz não estava mais no local.

Dicas

Ninguém quer passar por uma situação como a retratada anteriormente. A incerteza de saber se um ente querido está bem é devastadora. 

O chefe da Assessoria de Comunicação, tenente Ilenildo, afirma que para evitar o aumento de casos, é importante seguir as dicas do Corpo de Bombeiros Militar.

Ao escolher o local para nadar procure

um local conhecido por você ou outra pessoa, desde que ela o acompanhe

não ultrapassar faixas e placas de avisos

  • não entrar em locais onde há avisos de perigo de morte ou em águas poluídas
  • um local onde existe a presença de Guarda-vidas ou o Corpo de Bombeiros.

Além desses cuidados, procure:

  • não nadar sozinho
  • não tomar bebida alcoólica antes de entrar na água
  • não se afastar da margem
  • não saltar de locais elevados para dentro da água
  • não tentar salvar pessoas em afogamento sem estar devidamente habilitado.
  • lançar flutuadores para salvar pessoas ao invés da ação corpo a corpo
  • identificar nas proximidades a existência do salva-vidas e permaneça próximo a ele
  • evitar brincadeiras de mau gosto como “caldos”, “trotes”, “saltos”
  • acatar as orientações dos Bombeiros ou dos Salva-vidas
  • não abusar se aventurando perigosamente
  • não deixar as crianças sozinhas
  • evitar navegar com carga em excesso
  • só deixar entrar na embarcação pessoas usando coletes salva-vidas
  • conduzir embarcações se for habilitado para tal.

Jovens perdem a vida em cachoeiras, lagos, açudes, rios do Sul de Minas. Victor, Yan, Jhonatan e os irmãos Evaldo e Hugo são alguns deles. “Cuidado, siga as orientações do Corpo de Bombeiros”. 

 

Notícia anterior

Três Pontas será palco de curta-metragem

Próxima notícia

Ministério Público mostra caminhos para a solução pacífica, rápida e eficaz de conflitos

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.