Política

Dia 13 – Dia de Luta, convoca CUT Movimento Nacional tem como metas defender direitos da classe trabalhadora, da Petrobrás, da democracia e da reforma política

CUT 1

(Foto: CUT)

O Governo Federal pediu à Central Única dos Trabalhadores (CUT) para que cancelasse a manifestação desta sexta-feira (13). Atendendo à solicitação da Presidente Dilma Rousseff (PT), o Ministro Miguel Rossetto (Secretaria-Geral), se reuniu com dirigentes da CUT na segunda-feira (9) e conversou por telefone pedindo “reiteradas vezes” a suspensão para evitar que o ato sirva de base para levar mais manifestantes contra o Governo às ruas no domingo ( 15).

A CUT não cancelou, mas reorganizou o evento. E a expectativa é que milhares de pessoas se reunam hoje (13) em todo o País para defender os direitos da classe trabalhadora, a Petrobrás, a democracia e uma reforma política capaz de mudar não apenas o sistema eleitoral, mas a forma de representação na sociedade brasileira. Os movimentos sociais estarão em 26 estados e no Distrito Federal. Em algumas regiões, o início estava agendado as 9 horas desta manhã. 

Ainda segundo a Central, a intenção é lutar, como já fizeram aqueles que redemocratizaram o golpe militar e ajudaram a redemocratizar o Brasil. 

Em Resolução da Direção Nacional da CUT, assinada por Vagner Freitas, Presidente Nacional, e Sérgio Nobre, Secretário Geral, a Central lembra que nasceu das lutas e continuará a mobilizar suas bases, a partir do local de trabalho, para ocuparem novamente as ruas, junto com os movimentos sociais. 

“Conclamamos todas as entidades da CUT e todos os trabalhadores e trabalhadoras CUTistas a participarem das mobilizações do dia 13 de março para defender nossos direitos (não ao PL 4330, retirada imediata das MPs 664 e 665)”, afirma a Resolução.

Defender a Democracia e a Reforma Política, através da Constituinte Exclusiva e Soberana, barrar a contra-reforma (PEC 352) puxada por Eduardo Cunha no Congresso Nacional, defender a Petrobrás, defender a manutenção da Caixa Econômica Federal 100% pública, defender a soberania nacional e exigir mudanças na política econômica do Governo (não à elevação da taxa de juros e às medidas de ajuste de caráter regressivo e recessivo) são as metas.

Três Pontas 

De acordo com o PT local, em Três Pontas não haverá manifestação, embora os integrantes concordem com os interesses defendidos pela CUT. 

O Diretório disse ainda que respeita os pensamentos distintos, que considera os atos legítimos e que repudia todo tipo de baderna, de atitudes que desrespeitam os direitos humanos e os bens públicos e particulares. Assim, torce para que as manifestações sejam  pacíficas. 

PT 1

 (Fonte: CUT)

Notícia anterior

Karatecas trespontanos conquistam 10 medalhas de ouro no Campeonato Mineiro

Próxima notícia

Paulinho Gogó promete arrancar gargalhadas, em Três Pontas

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.