Qualidade de Vida / Saúde

Implante dentário pode resgatar autoestima e qualidade de vida

Implante Dentário pode resgatar autoestima e qualidade de vida Dr. Alisson 1

Implante: pino de titânio funciona como a raiz do dente; sobre ele é colocada a prótese (dente) de porcelana. O resultado é o que mais se aproxima da funcionalidade e estética naturais

Boa saúde bucal e dentes saudáveis são fundamentais para a realização – sem constrangimentos – de algumas ações simples, mas essenciais na vida humana, por exemplo, sorrir, comer e conversar.

Acontece, porém, que a autoestima e até a qualidade de vida podem ficar comprometidas se houver a perda de um dente. Para compensar o dano, foram desenvolvidas as próteses fixas que se apoiam nos dentes vizinhos, exigindo o desgaste de dentes saudáveis durante a restauração. Há também as próteses móveis que financeiramente são mais viáveis, mas geralmente causam desconforto na mastigação e insegurança já que, com o tempo, elas perdem a firmeza, consequentemente, a estabilidade. 

As duas opções existem, mas hoje são pouco usadas. Isto porque, para a felicidade de pessoas que sofrem com a ausência de um ou mais dentes, nos últimos anos a Odontologia avançou bastante e permite tratamentos que reabilitam as funções desses órgãos cuja principal delas é realizar a mastigação dos alimentos. A colocação de prótese fixa sobre implante dentário é a mais moderna e muito se aproxima do natural, tanto no aspecto quanto na funcionalidade.

Além da tecnologia cada vez mais apurada, o parcelamento facilita o acesso e o implante deixou de ser um privilégio dos mais favorecidos economicamente.

No Consultório Odontológico, em Três Pontas, o implante dentário é uma das especialidades do Dr. Alisson de Oliveira Pereira que, em entrevista ao Sintonize Aqui, explica mais sobre esse progresso.

Dr. Alisson de Oliveira Pereira Consultório Odontológico Três Pontas 1

Entrevista

Dr. Alisson de Oliveira Pereira

Cirurgião Dentista, Ortodontista e Implantodontista

Consultório Odontológico – Três Pontas

Dr. Alisson, atualmente qual é o melhor recurso para quem perde um ou mais dentes?

Hoje não há nada melhor para a pessoa que perdeu o dente do que ela reabilitar essa perda com o implante. Antigamente, usavam-se as pontes móveis e fixas, mas o implante é o recurso que mais se aproxima do dente natural. O implante funciona como a raiz do dente.

Quando a perda é anterior, a pessoa corre para fazer a reabilitação por uma questão de estética. Ela quer colocar o dente no mesmo dia. Mas quando a perda é posterior, onde a ausência não é visível, geralmente não há a preocupação com a reabilitação imediata. A maioria das pessoas se preocupam com a estética e se esquecem da funcionalidade.

A reabilitação de dentes posteriores é tão importante quanto a de dentes anteriores. É uma questão de saúde. Vale lembrar, por exemplo, que a digestão começa na boca, com a mastigação. Então, para que o processo comece bem é preciso ter uma dentição saudável.

Existe um número mínimo de perdas para a realização do implante?

Se a pessoa perder um único dente, deve reabilitar imediatamente e a melhor maneira é o implante.

Por que reabilitar?

Implante Dentário pode resgatar autoestima e qualidade de vida Dr. Alisson 2

Existem vários tipos de implantes que atendem a cada região da boca a ser reabilitada, explica o Implantodontista

Porque a perda de um dente desencadeia uma série de outras perdas de elementos dentários, o famoso efeito cascata.

O vizinho do dente perdido não tem onde se apoiar, então, ele vai deitando, se inclinando como se quisesse fechar aquele buraco. Se a perda é superior, o dente inferior vai extruir, vai ‘crescer’ buscando tocar em alguma coisa. Se a perda é inferior, o dente de cima vai extruir. Essa extrusão faz com que a quantidade de osso que segura o dente diminua. Com o passar do tempo, o indivíduo vai perder outros dentes se não houver a reabilitação. Isso demora, mas acontece.

Além de entortar os demais e levar a outras perdas, um dente faltante leva a um desequilíbrio da mordida e da musculatura, consequentemente, ocorre a perda estética, ou seja, aspecto de envelhecimento. O desequilíbrio na mordida causa problemas na mastigação e até dor na região da articulação dos maxilares.

Dr. Alisson, todas as pessoas podem realizar um implante ou existem limitações?

Eu costumo dizer para os meus pacientes que, para fazer um implante, a pessoa precisa ter duas coisas que são vontade e osso. Às vezes o paciente chega ao Consultório Odontológico com muita vontade, mas não tem osso. Aí é preciso, primeiro, fazer uma reconstituição óssea com enxerto. Depois vem o implante. Então, é um tratamento mais longo. Agora, se ele tem osso e não tem vontade, não fará nunca o implante.

E para fazer o implante não é preciso também ter dinheiro?

Geralmente as pessoas se preocupam com a parte financeira, depois estética e por último com a função do dente. Pensam no implante como um tratamento muito caro, mas – além de ser a melhor recomendação por uma questão de beleza e saúde – existem os parcelamentos do pagamento de acordo com as necessidades do cliente. O parcelamento facilita muito para quem tem osso e, principalmente, vontade. Se o número de implantes for maior, oferecemos um plano especial de pagamento.

Quando se fala em implante dentário, a gente logo pensa em pessoas com idades mais avançadas. Mas também os jovens perdem dentes, em acidentes, por exemplo. Existe uma idade mínima para essa reabilitação?

Não. Como eu disse é preciso ter vontade e osso. Mas, o paciente precisa também estar com boa saúde. Diabetes descompensado, tratamento cardíaco, quimioterapia e radioterapia são procedimentos que exigem maior cuidado e que limitam a realização do implante naquele momento. Se o paciente estiver bem de saúde, tiver vontade e osso pode reabilitar tranquilamente.

IMAGES_0005782_1

Reabilitar dentes posteriores é tão importante quanto reabilitar em caso de perda anterior – é uma questão de saúde, além da estética (Foto: Ilustrativa Net)

A tecnologia hoje.

A cada dia, o implante avança muito. Aliás, nos últimos 20 anos, houve uma evolução imensa da Odontologia. Existem vários tipos de implantes, cada um indicado para um tipo de tratamento, atendendo a regiões específicas da boca a serem reabilitadas e todos eles possuem alta tecnologia, estão cada vez melhores. O implante é um pino de titânio e esse material possui compatibilidade com o tecido ósseo. Sobre ele é fixada a prótese, ou seja, o dente.

É muito comum ouvir pessoas afirmando que fizeram um implante, mas houve rejeição. Isso de fato acontece?

Não existe rejeição em implante. O implante tem um período de osseointegração. Na mandíbula, que é a parte inferior, esse tempo varia de quatro a seis meses. Na parte superior, a integração do implante ao osso leva em média seis meses. Se neste período o implante não se ósseo integrar, ele vai sair. O que acontece é a não osseointegração e não rejeição como as pessoas costumam pensar.

A chance de não acontecer a osseointegração é pequena, mas se ela acontece, o cirurgião remove o implante, limpa a área e pode refazer o implante – muitas vezes imediatamente – na mesma sessão. Se achar ideal, espera de três a quatro meses e refaz o implante.

Você explicou que o implante é um pino de titânio que recebe sobre ele a prótese. O paciente já sai do Consultório Odontológico com essa combinação, ou seja, já sai também com os dentes ou é preciso esperar que ocorra a osseointegração do pino?

Nós temos duas maneiras de trabalhar. Podemos fazer o implante com carga tardia, ou seja, instala-se o implante, espera esse período de quatro a seis meses para o implante se ósseo integrar e, depois, coloca-se a prótese. Quando não envolve estética, quando o implante é de dente posterior, esse é o tipo usado.

Agora, quando envolve estética, usamos o chamado implante com carga imediata. Instala-se o implante e na mesma sessão é colocado o dente sobre o implante, mas pede-se ao paciente para não forçar esse dente até o período de quatro a seis meses para não comprometer a osseointegração. Depois, desse período retira-se o dente provisório e coloca-se a prótese definitiva que é de porcelana, de excelente qualidade.

Dr. Alisson Pereira Centro Odontológico Três Pontas 2

Dr. Alisson comenta que o pino é compatível ao organismo humano e que precisa de um tempo para se ósseo integrar. Assim, esclarece que não há rejeição de implante dentário

Então, esse negócio de realizar implantes e já sair com prótese definitiva não é uma realidade?

Existem propagandas que confundem muito os pacientes. São justamente aquelas que divulgam que a pessoa vai fazer o implante e sair da clínica com os dentes, tudo pronto e perfeito rapidinho, em uma única sessão. Na maioria das vezes, essa propaganda é enganosa porque o paciente não vai sair com o dente definitivo e, sim, com o provisório.

Em alguns casos específicos o paciente pode até sair com o dente definitivo, mas isso exige uma programação.

O período de osseointegração do implante não pode ser desconsiderado.

Considerações finais.

Existe um vídeo muito bom que eu gostaria de dividir com o leitor, com o internauta. Esse vídeo é da empresa Neodent e explica muito bem como é o implante dentário. No mais, eu agradeço e coloco o Consultório Odontológico à disposição. O nosso endereço é Avenida Juvenal Corrêa de Figueiredo, 282, em Três Pontas. O telefone é (35) 3266-1444.

Assista ao vídeo institucional abaixo, indicado por Dr. Alisson, e entenda como é o implante dentário, uma das modernidades da Odontologia em favor da socialização, da saúde, da qualidade de vida. 

Notícia anterior

Projeto Social Amigas do Peito doa sutiãs especiais a entidade de Santa Catarina

Próxima notícia

Junto com Juninho – Adolescente passa pelo tão esperado transplante de intestino, em Miami

Arlene Brito

Arlene Brito

Jornalista formada pelo Centro Universitário do Sul de Minas (Unis-MG). Atuou em praticamente todos os órgãos de imprensa de Três Pontas (MG): TV Cidade, Rádio Três Pontas, Jornal Tribuna, Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal, Jornal Correio Trespontano e agora está à frente do site Sintonizeaqui. Indicada para compor a equipe de assessoria de imprensa do Governo de Minas Gerais (2003/2010), optou por continuar em sua Terra Natal registrando os principais fatos e acontecimentos e, assim, ajudar a escrever a história do Município conhecido internacionalmente como a Capital da Música e do Café.