Qualidade de Vida e Saúde para o trespontano

Apae de Três Pontas terá nova unidade: Apae Rural abrigará oficinas terapêuticas, equoterapia e até “pet terapia”

Mesmo em tempo de distanciamento social devido à pandemia do novo Coronavírus, uma obra segue a todo vapor em Três Pontas. Trata-se da Unidade 2 da Apae, que tem sido chamada pela diretoria da instituição de “Apae Rural”.

Fachada da Apae Rural de Três Pontas

A construção é no Bairro Quatis, em área que seria destinada a um canil municipal que não se concretizou. “Estamos recuperando a infraestrutura cedida pela Prefeitura e promovendo melhorias para adequarmos todo o terreno às demandas do nosso projeto”, comenta a superintendente da Apae de Três Pontas e 1ª diretora secretária da Federação das Apaes de Minas Gerais (Feapaes-MG), Maria Rozilda Gama Reis.

Ainda segundo a superintendente, os recursos aplicados na obra provêm de projeto aprovado junto ao Conselho Municipal da Criança e Adolescente (CMDCA), Cemig e doadores do Programa Ai6% e ainda de emendas parlamentares.

Obra está em andamento no Bairro Quatis

Crianças e adolescentes com deficiência formarão o público prioritário das atividades assistenciais e de cunho também educacional

A Apae Rural abrigará Oficinas de Assistência Social em Horticultura, Jardinagem, Artesanato e Marcenaria. Todas elas já são desenvolvidas na instituição, beneficiando os usuários em diversos aspectos. O desenvolvimento ou aprimoramento de habilidades e da consciência ambiental, a incorporação de alimentação nutritiva e saudável e ainda a geração de renda para os deficientes e seus familiares são algumas vantagens. “As oficinas trabalham ainda a criatividade, o senso crítico, responsabilidade, afetividade, cooperação – entre outras questões fundamentais para na vida de todos nós”, destaca Rozilda Gama. Além de uma horta completa, o espaço ganhará um pomar que também será utilizado nas atividades diárias.

Horticultura e Jardinagem estão entre as Oficinas de Assistência Social que serão trabalhadas na nova unidade

No primeiro momento, algumas Oficinas de Assistência Social continuarão sendo realizadas também na sede da Apae, no Centro. Assim, as crianças e adolescentes com deficiência – que formam o público-alvo da Apae Rural – terão a opção de participar “na cidade ou lá nos Quatis”.

Futuramente, pelos planos da atual diretoria, todas as Oficinas de Assistência Social e ainda os serviços de profissionalização e inclusão no mercado de trabalho serão transferidos para a Unidade 2 – Apae Rural.

Mais saúde: além de ampliação do Projeto Equoar, cães reforçarão atendimento em reabilitação

Há seis anos, a Apae de Três Pontas iniciou o atendimento em Equoterapia. Atualmente, 36 usuários têm acesso ao método terapêutico e educacional, que utiliza o cavalo – dentro de uma abordagem multidisciplinar – na busca pelo desenvolvimento físico, psíquico e até mesmo educacional e social de pessoas com deficiência permanente ou com necessidades especiais temporais.

O setor de Equoterapia, até então executado em propriedade privada, ganhará sede própria, totalmente adequada às exigências da ABNT voltadas ao segmento. A migração para a Apae Rural possibilitará a ampliação do “Equoar”, que passará a atender a 160 usuários da microrregião de saúde, conforme explica o gerente do Centro Especializado em Reabilitação (CER II Físico e Intelectual) da Apae de Três Pontas e Conselheiro Regional Sul II, Nuno Augusto Alves. O “Equoar” é um projeto da Apae de Três Pontas aprovado pelo Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas).

E tem mais novidade. Na unidade Rural, a Apae de Três Pontas pretende adentrar pelo mundo da Cinoterapia, ou seja, a reabilitação com a utilização de cães, popularmente conhecida como “pet terapia”. Nuno Alves antecipa que na programação está a capacitação da equipe multiprofissional e o treinamento dos animais que serão selecionados por especialistas para participarem das ações que, garante, serão atrativas, motivadoras e com resultados surpreendentes para os usuários.

“Nossa expectativa é que no retorno das atividades, após a pandemia, os espaços estejam prontos para melhor atender às pessoas com deficiência e seus familiares”, finaliza o gerente do CER II da Apae trespontana.

Além de Três Pontas, O CER II atende aos municípios de Santana da Vargem, Coqueiral, Boa Esperança e Ilicínea. A microrregião tem população estimada em 126 mil habitantes.

Atendimentos em tempos de Covid-19

Em tempos de Covid-19, os serviços prestados pela Apae de Três Pontas em Assistência Social, Educação e Saúde são sequenciados através de tecnologias da Comunicação, por exemplo, telefone e computador/internet. Apenas alguns atendimentos são presenciais com agendamentos e prática de todas as medidas preventivas para evitar o novo Coronavírus.

 

Notícia anterior

Mais dois exames testam positivo para a Covid-19 em Três Pontas; cidade soma 19 casos confirmados

Próxima notícia

Drogarias estão de plantão em TP neste final de maio