Aqui Notícias de Três Pontas e regiãoEducação, Cultura e Lazer em Três PontasEsporte em Três PontasOutros

Especial – Três Pontas abraça a Trolada das Virtudes e faz do evento momento ímpar de lazer e integração

Arlene Brito

Foi uma manhã divertida! Ao todo, 237 aventureiros inscritos e uma multidão de expectadores enfileirados por toda a extensão da Rua Nossa Senhora d’Ajuda. Tinha avô e neto, pai e filho, tio e sobrinho, irmãos, amigos dividindo um mesmo trolinho. Tinha carrinho de rolimã originalmente simples, outros decorados, coletivos e até uns que em nada lembravam o brinquedo, e por isso mesmo, atraíram ainda mais olhares. Teve criatividade de sobra e as crianças eram de todas as idades: de 1 aos 80. Pessoas vivenciaram a nova experiência, outras reviveram a infância. Teve entrosamento,  teve muita risada e, enfim, a 1ª Trolada das Virtudes foi um grande sucesso!

O evento, que reuniu uma multidão no Centro de Três Pontas, domingo (1º), nasceu de uma brincadeira entre dois padres da cidade. Padre Rogério (Paróquia Cristo Redentor) lançou a ideia no primeiro dia da Novena do Beato Padre Victor, em 14 de setembro. Disse que o colega, padre Ednaldo (Paróquia N.S. d’Ajuda) promoveria a Trolada e, claro, desceria a ladeira em seu carrinho de rolimã. Padre Ednaldo desmentiu, mas acabou “pressionado” pela comunidade que achou a sugestão genial. Então, lá foi ele em busca de parcerias. Encontrou apoio nas secretarias municipais de Cultura, Lazer e Turismo e de Esportes, além da Polícia Militar, Guarda Civil, Socorristas Voluntários, Moacyr Supermercado e imprensa. A adesão dos trespontanos foi maciça. “Só não apareceram mais troleiros porque não deu tempo e os rolimãs acabaram na cidade”, comentou com satisfação.

Meio à concentração, padre Ednaldo destacou que a Trolada envolveu gerações, todas as classes sociais e até pessoas não ligadas à fé católica. O acontecimento, analisou, trouxe nostalgia. “Ao preparar o trolinho para o filho, o pai recordou determinadas brincadeiras que ele fez na infância”. Sobre o objetivo de homenagear o Anjo Tutelar dos trespontanos, o pároco enfatizou que “nós temos entre os objetivos da Festa do Padre Victor, fazer com que a devoção ao Beato traga bem estar à comunidade. E esporte é bem estar também. A cultura leva as pessoas ao crescimento e tomara que essa Trolada possa prosseguir. Tomara que essa moda pegue”, desejou.

Eugênio Tiso retirou do alçapão da casa o trolinho com o qual desceu a Rua até a Praça Cônego Victor acompanhando o neto Daniel, de 4 anos. Revelou que o brinquedo foi presente do cunhado Ponciano para o filho dele, o Rafael, tio de Daniel – hoje com 34 anos de idade. O trolinho, falou Eugênio, ficou guardado por longa data. O sogro Orlando também fez um que, depois de revisado por Tiso, entrou na pista domingo, emprestado para Carlinhos que trabalha no supermercado apoiador do evento. “Maravilhosa essa ideia. Tem que ter mais para o povo brincar. Na nossa época, essa era a nossa brincadeira, minha e dos meus filhos”.

“Estou aqui relembrando minha infância e achando muito interessante a reunião desta turma enorme”, começou Tiago Miranda de Figueiredo. Ele levou a pequena Maria para experimentar a brincadeira. E ela aprovou. “Estou achando bom. Já fiz dois treinos”, contou toda entusiasmada.  “É um momento único. Brinquei muito de trolinho e este aqui fui eu quem fiz há uns 15 anos. Estava guardado e hoje colocamos ele na rua de novo”, continuou o rapaz. Questionado sobre o porquê de não ter se desfeito do brinquedo, Tiago respondeu: “meu pensamento era: um dia voltarei a brincar, e não é que o momento chegou?!”.

Os participantes foram divididos por faixas etárias e a descida foi tranquila e pitoresca. Enquanto a “moçada” manobrava os carrinhos de rolimã, o público se encarregou de tirar muitas fotos e registrar tamanha alegria também em vídeos.  

Jessica da Silva Clemente, 20 anos, levou o irmão de 8 aninhos, Luis Vinícius. “Estou achando muito divertido, um momento família. Acho que Três Pontas precisa de mais eventos como este aqui para poder reunir o povo, tá muito legal”, opinou.

Padre Ednaldo desceu às pressas, mas não de carrinho de rolimã porque tinha que celebrar Missa. Quem deu a benção da largada foi padre Rogério, sim, aquele que lançou “a bomba” que encheu Três Pontas de alegria.

Surpreso ao ver tanta gente ali em momento especial de lazer e integração, ele argumentou que aquela era uma oportunidade “do pessoal lembrar o que viveu na infância e de resgatar brincadeiras que as crianças de hoje não conhecem”. E o padre, que introduziu o passeio ciclístico “Trilha das Virtudes” na programação do Aniversário de Morte de Padre Victor, no mês de setembro, colocou capacete, luvas e se juntou ao grupo das “crianças” de todas as idades.

Membro do EJC e vereador, Maycon Machado, colaborou na organização. “É um projeto que tem muito a agregar, que interage, traz à tona uma tradição, move a cultura. Estamos muito satisfeitos porque o povo abraçou a ideia; tem muita gente envolvida e só temos que agradecer a cada um”, disse e se jogou no trolinho rumo à Praça.

Entre os que abusaram da criatividade, estava André Luis. Aos 27 anos, “Dedé” e seus 13 amigos construíram um trolão, incrementado com som de primeira! Animado, o integrante da grande turma lamentou o fato das crianças atualmente estarem mais ligadas à tecnologia. “Elas não sabem o que é fazer um brinquedo e na maioria das vezes se isolam, não interagem com a garotada de mesma idade”. Então, relembrou os “velhos tempos” e curtiu bastante desejando que a Trolada volte a acontecer. O que “Dedé” não sabia é que o evento reservava uma surpresa para ele e seus amigos.

Há quem prefira maior conforto. Foi assim que Matheus Ribeiro, 23 anos, construiu, digamos, um trosofá, que possibilitaria ao avô, Sebastião da Silva, curtir a emoção da descida. Seu Sebastião não pode ir, e em seu lugar estava o amigo Lucas. Matheus revelou que na infância andou muito de trolinho, mas que descer a ladeira “de sofá” seria a primeira vez. “Está muito organizado e este evento motiva as crianças a aproveitarem o tempo com brincadeiras criativas”, opinou.  Além de Lucas (foto, à esquerda), o tio Alessandro auxiliou no projeto.

Destaques

Na Praça Cônego Victor, troleiros e público foram recebidos ao som da Corporação Musical “Luis Antônio Ribeiro”, regida por Wander Scalioni. Os hinos do Padre Victor e do Centenário de Três Pontas estiveram no repertório e foram acompanhados com palmas por uma gente participativa.

Logo depois, destaques foram anunciados e subiram ao pódio para receber troféu ofertado pela Paróquia Nossa Senhora d’Ajuda. Foram eles.

Maior trolinho: Carreta Furacão (Dedé e sua turma)

Trolinho mais criativo: O Sofá (Matheus e Lucas)

Troleiro mais idoso: Sebastião Paulino Rabello (80 anos)

Troleiro mais jovem: João Eduardo Miranda da Fonseca (1 ano), acompanhado do pai José Francisco

Troleiras mais animadas: Aline e Tininha

E como Troleiro mais animado, padre Rogério também recebeu a “honraria”.

A responsabilidade de sequenciar a Trolada das Virtudes

Padre Rogério anunciou que no próximo ano não estará mais em Três Pontas para auxiliar na Trolada das Virtudes. No entanto, orientou que o evento para ser concretizado, sequenciado só depende de boa vontade. “O que custou para nós? Somente apoio; apoio da Prefeitura, da Polícia e a participação de todos vocês. Acredito que este tenha sido o maior evento da cidade nos últimos tempos”. Ensinou: “para viver bem não precisa muita coisa. Aqui, precisamos de um pedaço de madeira e três rolimãs. A vida é muito simples para poder ser bonita, precisa de coragem e vontade”.

Então, chamou de volta ao pódio “Dedé” e amigos. Entregando a eles a imagem do Beato Padre Victor passou a responsabilidade: “nos próximos anos, quem sabe, vocês possam organizar a Trolada das Virtudes”. Foi além, sugerindo que uma nova trolada seja feita neste outubro, em comemoração ao Dia das Crianças.

“Estou muito feliz. Esse Padre Victor aqui será nosso de novo ano que vem”, brincou “Dedé”, deixando transparecer que a turma aceita o desafio. “Com esta finalização aqui, a Trolada fica ainda melhor. Foi muito bom”.

A Paróquia Nossa Senhora d’Ajuda ofertou a todos os troleiros um Certificado de Participação, que está sendo entregue na Casa da Cultura “Alfredo Benassi”, sede da Secretaria Municipal de Cultura.

(Fotos: Sintonizeaqui e Maurinho Bueno)


Tem mais Trolada na Cidade, sintonizeaqui! 

Notícia anterior

SOS Animais - Precisamos encontrar o "Amarelo"; ele precisa voltar para casa urgente!

Próxima notícia

Novena abre Festa da Padroeira Aparecida, em TP