Educação, Cultura e Lazer em Três Pontas

Alunos da Escola Tancredo Neves de Três Pontas confeccionam bonecas Abayomi em comemoração ao Dia da Consciência Negra Trabalhos serão expostos em Feira de Ciências, Arte e Cultura neste sábado

Arlene Brito

Quem conhece pelo menos um pouco da história do Brasil sabe que as negras africanas eram capturadas e trazidas para o nosso país como escravas. Mas alguém tem ideia do que essas mulheres faziam durante os longos e terríveis dias de travessia a bordo dos abarrotados navios tumbeiros?

Principalmente as mães, que vinham acompanhadas de seus filhos, confeccionavam com muito amor, criatividade e habilidade brinquedos para aliviar o sofrimento das crianças. Rasgando as próprias saias, com as tiras elas faziam bonecas chamadas Abayomi. De origem Iorubá, Abayomi significa “encontro precioso” e serve para meninas e meninos, sem distinção. À época, as bonecas também eram consideradas amuleto de proteção e uma recordação valiosa.

Bonecas Abayomi serão expostas em Feira Cultural da Escola, neste sábado (24)

“Esta boneca não tem contorno de olhos, não tem boca, não tem rosto porque é resultado de várias etnias. Nos navios haviam negros de Angola, Moçambique, Guiné; negros muçulmanos e seguidores da umbanda, do candomblé. Ali eles se encontravam, uma alegria imensa, um acalento materializado na troca de bonecas, um presente de uma etnia para a outra”.

Professora Milene, uma das idealizadoras do projeto, com a aluna Gisele

Foi o que ensinou a professora de História, pós-graduada em História do Brasil – Milene Cândido Ferreira, aos alunos da Escola Estadual Presidente Tancredo Neves, em Três Pontas. E para o Dia da Consciência Negra, comemorado na última terça-feira, dia 20, ela e a também professora, Taís Rosa Siqueira Ferrarese, propuseram aos estudantes experimentarem a arte popular que se posiciona como instrumento de conscientização, como “elemento de afirmação do poder e determinação das mulheres negras”.

Empolgados com a sugestão educativa vinda das professoras Milene e Taís, alunos do 6º, 7º, 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, 1º ano do Ensino Médio e do noturno (EJA) se envolveram no projeto. Os retalhos foram doados pela empresa Kimono e Cia, onde a aluna do EJA, Valquíria, é designer de costura.

“As meninas recortaram, interagiram, mas os meninos ficaram ainda mais empolgados. Achei bacana porque estão valorizando as mulheres. Acho que se comoveram com a história e fizeram bonecas pensando em presentear sobrinhas, por exemplo”, conta Milene. A produção rendeu tanto, brinca, que dará para levar Abayomi para a família inteira, mas só depois da exposição na Feira de Ciências, Arte e Cultura que acontecerá na Escola Presidente Tancredo Neves neste sábado (24), com início às 8 horas.

Em todo lugar…

Ao trabalhar a resistência da mulher negra através do projeto Abayomi, a Escola Presidente Tancredo Neves destaca concomitantemente Zumbi dos Palmares, um dos principais personagens do movimento negro contra a escravidão no país, abolida em 18 de maio de 1888. Zumbi foi morto em 20 de novembro de 1695. Em 1995, a data foi adotada como o Dia da Consciência Negra no Brasil.

“Somos latino-americanos, temos uma mistura de raças e o nosso idioma vem do português, do africano e do índio. Assim, o nosso Zumbi vem do Iorubá e significa guerreiro”, finaliza a professora Milene, aproveitando para agradecer o apoio por parte da diretoria da Escola.

Além do feitio das bonecas várias outras atividades unindo as disciplinas Geografia, História e Português foram desenvolvidas na “Presidente Tancredo Neves” com o objetivo de proporcionar conhecimentos sobre os aspectos históricos que levaram ao fim da escravidão e suas consequências imediatas na sociedade. 

Notícia anterior

Especial - Cocatrel premia Melhores Cafés 2018/2019 em tarde de confraternização

Próxima notícia

Final de semana em Três Pontas tem drogaria e farmácia de plantão