PoliciaisRegionais

Crime Organizado – MP deflagra operação contra célula do PCC que atuava no Sul de Minas

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime organizado (Gaeco), núcleo Varginha, com apoio da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG), deflagrou na manhã desta quarta-feira, 28, a Operação Invisíveis, cujo objetivo é desmantelar organização criminosa, célula do Primeiro Comando da Capital  (PCC), que atuava no Sul de Minas Gerais e se dedicava à prática dos crimes de tráfico de drogas, roubos e comercialização de armas de fogo.

Foram cumpridos 11 mandados de prisão preventiva e nove de busca e apreensão nas cidades de Três Corações (Sul) e Uberaba (Triângulo). Denúncia oferecida pelo MPMG abrange 39 crimes.

Segundo o Gaeco, durante a investigação e em razão dela, diversas prisões em flagrante foram efetivadas, com apreensão de maconha, crack e cocaína. Apurou-se que um dos líderes do grupo, processado e condenado em razão de ação penal decorrente da Operação Argos, do Gaeco de Varginha, comandava parte das ações do grupo do interior da Penitenciária de Uberaba. As investigações duraram aproximadamente um ano.

Participaram das diligências 46 policiais militares empenhados em 18 viaturas.

Veja ainda

MPMG obtém condenação de membros do PCC presos no Sul de Minas

A Justiça condenou a mais de 700 anos de prisão 28 pessoas presas durante a Operação Argos, deflagrada em agosto de 2017, pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Varginha e da 4ª Promotoria de Justiça de Três Corações.

A ação visava desmantelar célula do PCC que atuava no Sul de Minas e se dedicava à prática de explosões de caixas eletrônicos, roubos a residências e de carros, comércio de armas, munições e explosivos, homicídios e tráfico de drogas.

A sentença afirma que o grupo se valia de menores de idade e de violência e grave ameaça para consecução de seus fins. Também atuava entre estados da federação e promovia a entrada de drogas em unidades prisionais.

Todos os réus foram condenados por crimes como tráfico de drogas, venda e posse de armas de fogo, receptação e organização criminosa. Além das penas, foram determinadas multas que ultrapassam R$ 1,7 milhão. Os condenados, que já se encontram presos desde a Operação, iniciarão o cumprimento das penas em regime fechado.

Relembre o caso

Na Operação, foram cumpridos 19 mandados de busca e apreensão e 28 de prisão preventiva em Três Corações, Varginha, Cambuquira, Boa Esperança e Carmo da Cachoeira. As investigações, que tiveram duração de aproximadamente dez meses, apuraram que o grupo era comandado do interior da Penitenciária Regional de Três Corações, arquitetava os crimes já narrados, além de homicídios de concorrentes e rebeliões.

(Fonte: Gaeco Varginha – Ministério Público de Minas Gerais/Superintendência de Comunicação Integrada)

Notícia anterior

Finados - Por causa da pandemia, não haverá missa no Cemitério de Três Pontas; Paróquias divulgam horários e locais das celebrações

Próxima notícia

Campanha Contra Poliomielite será encerrada nesta quinta-feira, em Três Pontas. Sexta não haverá expediente