Poesias e AfinsVariedades

Poesia e afins: Homenagem para um homem digno O poeta Vicente Oliveira relembra o patriarca da família Thomaz

Menino traquina das noites do tempo
Noite que tem a mesma cor da tua pele
Marcando o pedestal da honra que é a grandeza de um homem bom
Tua presença que hoje marca o presente
Um simbolismo de um herói fulgente
No mesmo compasso, nas notas, nos tons.

Velho herói menino de brancos cabelos
Teus cabelos brancos vêm mostrar o zelo
Das noites frias e manhãs de geadas
No próprio critério tu moldastes a vida
No aço do tempo ficou revestida
Também nas pedras brutas do meio das estradas.

Menino carreiro dos sonhos passados
Velho herói menino dos nossos serrados
Velho herói menino das nossas manhãs
Tu vivestes a felicidade do tempo guardado
Tu marcastes no tempo o ventre açoitado
Tu vives feliz na tua vida sã.

Velho pai, avô das tantas saudades
Velho pai, avô das felicidades
Que deu vida ao poema dos meus estribilhos
Velho pai, avô dos futuros netos
Velho pai, avô e feliz por certo
Sentindo a grandeza na prole dos filhos.

Velho pai, avô das raízes negras
Descendente da alma da África
Descendente dos guerreiros leais
Descendente dos martirizados
Descendente das raízes folclóricas
Descendente do canto e da paz.

Vicente de Paula Oliveira (Três Pontas – MG)

Tu, espelho do trabalho suado
Da foice, enxada e arado
Tu representas o passado que foi
Amigo das manhãs dolentes
Amigo das tardes quentes
Amigo dos carros de bois.

Amigo doce, do caldo das canas
Amigo dos dias que transformam em semanas
Amigo velho que se tornou rapaz
Amigo das festas, dos bailes e quadrilhas
Amigo que ofusca, que fulge, que brilha
Amigo do verde dos canaviais.

Homem escudo dos tantos janeiros
Homem do tempo, tu fostes passageiro
Homem realista dos momentos teus
Homem lembrança, vida benfazeja
Homem que para sempre, tu bentido sejas
Homem que enobrece os momentos meus.

Na brisa suave a irmã do vento
Mesclou-se as torvas destes momentos
Fundiu-se a vida que está completa
Faltam-me trovas para a boa nova
Perderam-se as frases que não se renovam
Nas linhas carentes deste poeta.

Esta tua vida, essência sagrada
Vida que forjou-se nas longas jornadas
A vida tortura, mas às vezes faz
A honra bendita que você acredita
Vivendo no íntimo a esperança bonita
Que tornou-se vida em José Tomáz.

(Foto página inicial: Ulisses Passarelli)

 

Notícia anterior

Meio Ambiente – APELF realiza 2ª etapa do projeto Mata Ciliar de Furnas e conta com apoio da Compre Plantas, de Três Pontas

Próxima notícia

Corpo do médico Aladyr Souza deve chegar a Campos Gerais na quinta-feira; cardiologista morreu durante viagem de moto à Argentina